14 abril 2013

Era hora de soltar as mãos entrelaçadas. A partir dali, seguiríamos caminhos distintos, nosso tempo juntos acabou. 

O que era ruim, descartei. O que era e ainda é bom, juntei e guardei numa caixa especial de memórias. Tenho certeza que de vez em quando, vou abri-la para lembrar da sua risada deliciosa, da maneira como interrompe o seu cigarro para colocar sua opinião sobre algo e logo em seguida faz uma piada sobre outra coisa, do seu beijo com vontade de me devorar, do seu cheiro na cama depois de partir, de como me faz sentir especial naquele momento eu e você.

Eu vou guardar, o que é nosso.