22 janeiro 2011

O novo do velho.

Sou fã do podcast Café Brasil do Luciano Pires. Adicionei como sugestão do Itunes e no primeiro programa, já senti vontade de ouvir mais e mais e mais e mais. Baixei os programas anteriores e comecei a escutar aqui, ali, andando por aí.

Nesta semana, escutei o programa que levou o título de “Homeostase brasileira” [http://www.lucianopires.com.br/cafebrasil/podcast/?pagina=/2010/11/18/220-homeostase-brasileira/ ]. Foi ao ar no dia 18 de novembro de 2010.

Falava sobre entropia, desordem, desgaste. Devaneios do locutor. Entãom começou a falar das chuvas no Rio de Janeiro, da falta de estrutura, do governo Brizola que incentivava a massa e eu pensei: Tem certeza que este programa foi ao ar ano passado? Não é uma atualização desta semana? Nossa situação é tão óbvia? É. É repetitiva. É previsível. Assistimos. Ajudamos. Mantemos os políticos e seguimos o nosso ano. Até janeiro do ano que vem. Quando tudo acontecerá novamente. Assistiremos, ajudaremos, manteremos os políticos e seguiremos nossas vidas no próximo ano. Até janeiro do outro ano, quando assist....”

16 janeiro 2011

Novas atitudes para velhas metas

Está tudo zerado, inclusive o relógio. É um novo ano. Uma nova energia e disposição. Vamos começar as tranformações radicais que obviamente estão fadadas ao fracasso. Tornam-se insustentáveis. E a tal lista de ano novo cairá em descrédito no primeiro descuido. Por anos, assim foi o meu ano novo.

Ainda em 2010, no dia do meu aniversário, ganhei um novo ano. Ali, ganhei energia e disposição e vi que poderia investir nas minhas metas encalhadas. Claro, se eu tomasse novas atitudes para elas.

Na virada simbólica de 2010 para 2011, havia entre nós uma árvore dos pedidos. Poderia encher aquela árvore com muitos pedidos. Uma vez, li que, quando esta árvore crescer, levará para o alto o meu desejo. "tome cuidado com o que você deseja, menina" diz minha avó. E o meu desejo é cuidar da minha árvore. Eu planto, eu cuido.

"Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre."

Carlos Drummond de Andrade.